Sobre nossos atalhos que não nos levam aos mesmos lugares

rrer

Saímos tocando as paredes por aí e as paredes não perguntam o motivo pelo qual as tocamos. Elas sabem que assim como todo ser que respira no lado de cima do planeta nós estamos procurando por um caminho, ainda que estejamos procurando sempre nos lugares errados. Sonhamos repentinamente com um mundo sem paredes, mas ainda assim as pessoas ergueriam suas muralhas. Futilmente, tentam dizer que não precisam de ninguém… Sem perceber que essa seria sua maior mostra de fraqueza.

Encontramos um bar e procuramos por esse mesmo caminho no fundo do copo. Ele também não nos é revelado ali. Quem quiser, que vá para a igreja se arrepender dos pecados. Eu não pretendo me ajoelhar tão cedo assim. E quem além de mim poderia ver os meus fantasmas? Quem além de mim seria capaz de sentir os meus demônios caminhando sobre mim? E podemos também sair por aí enganando os outros, fingindo que o nosso suor é especial. NÃO É!

Perdi a fé na punição, não acredito que seja a solução para os nossos problemas. Talvez algum dia as paredes voltem para nos revelar aquele caminho ou talvez o encontremos no último gole da cerveja. Talvez algum dia os velhos voltem a ser crianças. Talvez algum dia nos encontraremos em nossa própria respiração.

Anúncios

ComentAnderson

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s