Olhar para o nada e enxergar tudo

11173588_899846560077170_1577812888_n

Um homem está correndo pelo parque, tentando amenizar a louca vontade de acender um cigarro. Ele costumava fumar cinco cigarros seguidos já pela manhã e só parava quando o coração começava a doer. Agora, simplesmente corria e tinha se reduzido a um cigarro a cada uma hora e meia. Em um determinado momento de sua corrida, ele para e fica olhando para o nada. Na verdade ele não olhava para o “nada”, mas ainda não sabia disso. Para quem o visse ali ele pareceria estar encarando uma árvore, mas a verdade é que o homem nem ao menos tinha se dado conta de que havia uma árvore a poucos metros do ponto vazio em que ele fixava seu olhar. Aquilo durou uns 15 ou 20 segundos, então o homem respirou fundo, negou-se o direito de fumar um cigarro e continuou sua corrida, sem nem ao menos pensar naquilo por muito tempo.

Três anos depois, já livre do vício o homem voltou a correr naquele parque. Gostava do percurso que fazia, mas naquele dia aconteceria algo diferente. Ele simplesmente parou e encarou o “nada” novamente. Aquilo durou cerca de 15 segundos e algo bem familiar aconteceu em sua mente, que tentava processar a informação sem entendê-la muito bem. Depois de encarar o “nada” por 15 segundos o homem olhou para trás e viu a árvore. Sim, a mesma árvore que ele tinha visto há três anos.

Percebeu então que três anos antes ele tinha se encontrado com ele mesmo, ali enquanto encarava um ponto vazio entre a árvore. No passado olhava para o seu “eu” no futuro e ali no presente olhava para o seu passado. É capaz de compreender o incompreensível: três anos antes, se via ali. Agora, olhava de volta para si.

O homem então percebeu que por toda a vida tentava encaixar seu passado e seu futuro e isso por muitas vezes fizera com que ele esquecesse de seu presente. Então o homem respirou fundo e guardou em seu coração aquele segredo: “Éramos todos viajantes do tempo”, ainda que não nos dessemos conta disso. Silenciosamente, o homem acenou para o seu “eu” que ali estivera três anos antes e se sentiu um bocado orgulhoso. Voltou a correr.

Quando você parar em algum lugar e simplesmente olhar para o nada, pense: “Quem você gostaria que estivesse olhando dali para você três anos no futuro”?

Por quantas vezes nos encontramos com nós mesmos durante nossas vidas e nem ao menos percebemos isso?

Anúncios

ComentAnderson

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s