Uma análise sobre o amor e o sofrimento sob a perspectiva de Woody Allen

woody allen amor sofrimento

“Amar é sofrer. Para evitares sofrer, não deves amar. Mas, dessa forma vais sofrer por não amar. Então, amar é sofrer, não amar é sofrer, sofrer é sofrer. Ser feliz é amar, ser feliz, então, é sofrer, mas sofrer torna-nos infelizes, então, para ser infeliz temos que amar, ou amar para sofrer, ou sofrer de demasiada felicidade – espero que estejas a perceber”.
Woody Allen

Ah, esse nosso medo de sofrer! Esse nosso medo de sofrer é mais doloroso do que o próprio sofrimento que poderíamos sentir caso realmente sofrêssemos. Ao invés de sofrer e aceitarmos o sofrimento, acabamos levantando muros que mantém o sofrimento lá fora. Esses mesmos muros acabam por manter o amor lá fora também.

“Mas eu quero um grande amor e não quero sofrer por ele”

Esqueça. Em primeiro lugar o amor vai lhe assustar, vai lhe deixar apavorado. Encontrará então o medo: medo de amar e medo de sofrer. Vai ter medo que as coisas deem certos e também vai temer que elas não deem. Acima de tudo você deve compreender que tanto o sofrimento quanto o amor fazem parte da vida humana. O amor é por muitas vezes um convite para que nós possamos sofrer.

E quem diabos disse que você não precisa sofrer na vida? Você sofre por dinheiro, sofre pelas suas amizades, sofre pela sua família. Sofre por tantos outros motivos tão idiotas… E agora você me diz que não quer sofrer por amor? O amor é o único motivo pelo qual eu posso verdadeiramente compreender o sofrimento.

Mas entenda: sofrer não é uma obrigação. Não me venha com frases de efeito, pois quem ama acaba sofrendo e se machucando de vez em quando. Você não vive em uma bolha. Você vive no mundo real, onde o amor, o sofrimento e inúmeras outras energias boas e ruins acabam por cercá-lo. Existe essa mania ocidental de que nunca podemos mostrar as nossas fraquezas. As pessoas identificam o sofrimento e a possibilidade de uma fraqueza, mas nem se dão conta de que o amor é a maior fraqueza que existe entre nós. Pode ser nossa maior força – sem sombra de dúvida – mas também é a nossa maior fraqueza.

Eu não estou dizendo em nenhuma hipótese que o amor irá lhe fazer sofrer todos os dias. Não estou dizendo em nenhuma hipótese que você deve morrer de sofrimento em nome do amor. NADA DISSO. Apenas entenda: o amor acaba por gerar algum tipo de apego (físico ou espiritual) e todo e qualquer tipo de apego irá gerar algum sofrimento (concreto ou por antecipação).

O que eu estou dizendo é que você não precisa fugir das coisas – sejam elas boas ou ruins. Você não precisa fingir que nunca irá sofrer da mesma forma que não precisa fingir que nunca irá amar.

Concordo com aqueles que um dia disseram que o sofrimento é uma ilusão, algo que nós mesmos criamos. Mas eu digo o seguinte: eu estou amando imensamente no momento sem qualquer tipo de sofrimento. Mas eu sofri há um mês, meus amigos. Eu sofri há dois meses e eu sofri bem no comecinho desse sentimento, quando eu ainda não entendia o que ele era. E eu aceitei o sofrimento, ainda que ele não fosse real. Eu poderia ter pensado algo do tipo: “Bem, mas eu não estou sofrente… E também não devo estar amando”. Eu poderia ter mentido para mim mesmo, mas eu não o fiz.

Pois, meus amigos, o sofrimento é passageiro – sempre é. Mas o amor, esse dura pra sempre

Anúncios

Um comentário sobre “Uma análise sobre o amor e o sofrimento sob a perspectiva de Woody Allen

ComentAnderson

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s