O diabo está nos detalhes e os detalhes estão naqueles olhos que eu avistei

devil

Existem esses momentos raros que acontecem comigo. Simplesmente cruzo o olhar com alguém na padaria da esquina, na rua ou no shopping center, quando almoçamos um do lado do outro. Você olha para aquela pessoa e ela retribui o olhar, mas vocês não dizem nada um para o outro. É um tipo de cumplicidade, como se trouxessem para aquele momento algum segredo de vidas passadas.

E então eu penso: “Puxa, esse é o tipo de cara que seria capaz de matar alguém”.

Antes que digam que é algum tipo de preconceito, esses momentos sempre acontecem com alguém diferente. Na verdade, se você juntasse todas aquelas pessoas em um quarto em algum lugar provavelmente não encontraria nada de comum entre elas. Aconteceu esses dias, enquanto eu almoçava. Era um cara de terno, mais concentrado no celular do que na comida que estava na sua frente ou no mundo que existe ao seu redor. Cruzamos os olhos por um instante e…

“Puxa, esse é o tipo de cara que seria capaz de matar alguém”.

Quando isso acontece, eu não volto a olhar para a pessoa. Não estou bem certo do motivo. Aconteceu no ano passado quando olhei para uma velhinha que bebia uma cerveja sozinha na calçada de um bar enquanto fumava um cigarro.

“Puxa, essa velhinha realmente seria capaz de matar alguém”.

Naquele dia, trocamos olhares e um leve aceno feito com a cabeça. Palavras não foram ditas. Preciso sair imediatamente dali, como se eles fossem roubar minha alma. A primeira vez que aconteceu foi com um cara no ônibus. Era um cara bem mal encarado e discutia fevorosamente com a esposa que segurava a filha duas fileiras de passageiros atrás de mim.

“Puxa, esse cara seria capaz de matar alguém, talvez a própria mulher…”.

Aconteceu outra vez com um garotinho que não devia ter muito mais do que dez anos.

“Cacete! Esse pirralho vai matar alguém algum dia”.

Não é nada que eles fazem nem nada que eles digam. Não é o jeito com o qual eles se parecem com alguma figura retirada de algum livro do Edgar Allan Poe. Nada disso. É algo no olhar deles, que bate e reflete no meu em um instante macabro, como se houvesse um demônio sussurrando em nossos ouvidos.

Me pergunto o que aconteceria se eu simplesmente me levantasse e falasse com eles, mas me recuso a fazer qualquer coisa que não seja fantasiar. Quando os vejo, preciso sair imediatamente dali. É como se eu pudesse ver o pior de cada um deles, em apenas um instante. Mas eu não fujo com medo do seu pior. Eu fujo com medo que naquele breve instante caótico eles também possam ver o meu pior.

Quando acontece, eu preciso correr. Minha alma e meus demônios estão expostos. Não resta muito o que fazer, exceto correr. Eu penso nisso mais algumas vezes e depois sequer consigo me lembrar de seus rostos. Logo, eles viram borrões. Lembro apenas vagamente do que estavam vestindo ou do que estavam fazendo. Lembro, sobretudo, exatamente de como estavam seus olhos quando olharam em direção aos meus.

Eram demônios, caminhando ali perto de mim? Ou seria apenas a minha paranoia? Talvez eles estivessem olhando para outra coisa. Talvez, eles sequer estivessem ali.

Anúncios

2 comentários sobre “O diabo está nos detalhes e os detalhes estão naqueles olhos que eu avistei

  1. Interessante! Quando isso acontece comigo, também almoçando, no mercado, no ônibus, na rua, imagino olhares recriminantes, como se aquelas pessoas possuíssem o dom de sentir todos os meus crimes, pecados e segredos. Matar alguém, no caso a mim, seria apenas a punição. É aterrorizante. Mas normalmente, no fim, percebo que eu apenas estava com o ziper aberto ou com o batom borrado. E continuo, me desfazendo das provas.

ComentAnderson

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s