Afogando-se na pia da cozinha (Ou: Converse com seus talheres)

Eu havia enrolado por tempo o suficiente e as louças continuavam na pia. Pensei no que eu poderia fazer no momento para fazer qualquer outra coisa, mas não havia jeito: era chegada a hora. Na verdade nem havia tanta louça ali, apenas alguns pratos, canecas e talheres - mas eu iria preferir, muito sinceramente, fazer... Continue lendo →

Anúncios

Como ‘estar bem’ com tanto sofrimento no mundo?

Ela chegou até mim e simplesmente perguntou, como quem não queria nada: -Tudo bem? -Tudo, estou bem - respondi. -Mesmo? - indagou ela - Está mesmo bem? -Estou. -Mesmo sabendo da fome no mundo? Mesmo sabendo da guerra? Mesmo sabendo que as pessoas matam umas às outras? - ela insistiu. -Sim, tudo bem. - respondi,... Continue lendo →

“Ei, sua namoradinha se matou”

O que eu vou contar agora aconteceu faz quase dois anos. Não que eu tenha esquecido, mas dia desses apareceu em minhas recordações do Facebook uma música que eu estava ouvindo no dia que ocorreu. Imediatamente fui ao chão. Bem... Eu estava em casa olhando para o nada, me esforçando para parar de procrastinar, mesmo... Continue lendo →

Fora do ninho

A maioria das pessoas nunca consegue deixar o 'ninho'. Elas nascem em um lugar, passam toda a vida repetindo a mesma coisa e nesse mesmo lugar morrem muitos anos depois. Não, não tem nada de errado nisso. Não significa que as pessoas são pássaros sem asas ou que não aprenderam a voar. Durante toda minha... Continue lendo →

Da lua e de quando ela veio me buscar

Durante algumas noites, a lua não tinha aparecido. Quando a lua some, somos privados do brilho da noite e das estrelas. Só estamos verdadeiramente sós quando a lua nos deixa. Com ela, nos sentimos imbatíveis. Volta e meia eu ia para a janela procurar pela lua, como se eu fosse um adolescente esperando pelo sua... Continue lendo →

Você parece algo que desenhei

Quando bem jovem, eu gostava de desenhar, ainda que não desenhasse muito bem. Rabiscava em todo o canto, experimentando a minha 'arte'. Ainda que eu não obtivesse sucesso, estimava e valorizava meus rabiscos, com a inocência de uma criança que venerava a capacidade de criar qualquer coisa. O problema é que você não consegue explicar... Continue lendo →

Dos vultos e da paz

Eu nunca sonho enquanto estou dormindo. Sempre preferi sonhar enquanto estou de olhos abertos. Naquele dia, talvez eu tenha sonhado de olhos abertos. a questão de sonhar enquanto você está acordado é que você nunca está realmente certo sobre aquilo que viveu. Parece ter sido tão real, mas você sempre conhece intimamente a possibilidade de... Continue lendo →

Ela roubou meu lado da cama

Existem esses momentos na vida em que realmente percebemos que estamos lascados. Para mim, um desses momentos envolveu uma mulher e o "meu" lado da cama. Não sei se isso é algo comum a todos nós, mas eu sempre tive o "meu lado da cama", o qual adotei mesmo dormindo só em uma cama de... Continue lendo →

De manhã você já não me amava mais

Ela chegou ao apartamento dele, após um convite desleixado que ele fizera pela internet. -Está destrancada! - ele disse, ao ouvir seus passos em direção à entrada. Ela abriu a porta e colocou suas chaves sobre a tigela roxa que ficava próxima à entrada. -Venha cá! - ele disse então. Sem dizer nada, ela continuou... Continue lendo →

Lobos famintos

Diz a lenda que havia esse homem que vivia nas florestas e que era capaz de lembrar-se de 500 de suas vidas passadas. Ele vivia com pouco mais do que um grão de arroz diário e a sombra de uma árvore. Passavam-se chuvas e sóis e ali jazia o homem, nutrindo nada exceto o próprio... Continue lendo →

Notável sonho suicida

Ele dormia em uma cama fria e já tinha escrito mais cartas de suicídio do que poderia contar nos dez dedos das mãos. Ao acordar, arrumava espaço entre as garrafas vazias e sentava-se em sua mesa consumida por cinzas de cigarro e embalagens de chocolates. Alcançava então na gaveta uma longa faca de cozinha. Admirava... Continue lendo →

Eu, o vira-lata

Enquanto vou dar uma voltinha por aí, paro e observo as pessoas. Acendo um cigarro e vou bebericando o café preto e sem açúcar: Amargo, como tudo ao meu redor. Observo as pessoas vivendo com pressa, como se elas realmente precisassem estar em dois lugares ao mesmo tempo, como se elas não pudessem parar para... Continue lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑